L. Szondi


News
Szondi Institut
Articles
Literature
New Developments
Szondi's Applications
Szondi Groups
Links
Personality Developments
The Latin Section
Rorschach
Books
Phoenix-Hus







http://www.simmel-de.da.ru

Reformulação ( Nova Interpretação? ) do “ Sistema das Pulsões

De Friedjung Juettner , Zurique.

( Título original : Umformulierung des Triebsystems. Ein Übersetzungsvorschlag )

(Traduzido ao espanhol por Leo Berlips, editor. Qualquer desvio do texto original nesta tradução é da inteiraresponsabilidade do seu editor. Entretanto como não sou um tradutor profissional, espero que tenha um pouco de paciência com meus erros ). Tradução corrigida por Manuel Girardo Monastério.


1.

Apresento uma sugestão para uma uma nova interpretação do conceito “Sistema do IMPULSO” ( Diagrama do IMPULSO ). Procuro escrever com a maior simplificação possível, e sugiro diversos princípios que ordenam a variedade de significados de uma maneira mais compreensível e mais clara.

(Omiti algumas frases. Transl. )

2. Suposições.

Começo com as suposições seguintes:

2.1

Liberdade e Pulsão, segundo Szondi, são os princípios mais importantes da Análise do Destino. (“Schiksalsanalyse”)1963, 33.

Todos os conceitos parciais da análise do destino devem poder ser inseridos neste conceito da superação ordenada do destino ou, da existência humana, da maneira a mais harmosiosamente possível.

Para o sistema de impulsão isto se torna fácil, pois facilmente se adaptou ao esquema do destino que Szondi resume com os conceitos de “herança” e de “a natureza do impulso o afeta”, respectivamente. Como pode alguém imaginar para si a influência da própria liberdade? Vou tratar de explicar isto da seguinte maneira:

2.2

A base real do sistema das pulsões são as oito necessidades e não a emergência de quatro impulsos. Seria realmente mais correto, e hoje mais aceitável falar-se de um “ SISTEMA DAS NECESSIDADES .”

Análoga à opinião de Szondi:

“ Em termos de Genebiologia é mais correto, antes falar de uma “psicologia da necessidade” que de uma psicologia da pulsão” . ( 1965, 68 )

A atribuição de duas necessidades a um Vetor, que de qualquer maneira tem o aspecto de corresponder uma a outra, em vez de ser fechado casualmente por aí (Kuhn, 1987 ) faz do impulso uma construção. ” “O conceito de pulsão por si mesmo não tem realmente uma qualidade concreta” , ( Szondi, 1980, 17 ).

2.3

As oito necessidades estão originalmente postas pela natureza em forma dialética, ou como polaridades. Ea razão pela qual a divisão de cada necessidade em duas tendências não significam para tanto, uma divisão,

( Spaltung ), porém, somente uma diferenciação polar desta necessidade.

“ O conceito pulsão por si mesmo não tem realmente uma qualidade concreta”, Szondi, 1980.

2.4 Szondi (1954. 32-33) explica as oito necessidades como reduções fenomenológicas no sentido de Husserls. Quer dizer, o espectro amplo e quase infinito em que se apresentam as ações humanas é reduzível, como passado por funis, nestes oito radicais ( raízes ) ou, motivos básicos. Ou, pelo contrário:

Qualquer vivência humana e comportamento pode derivar-se destas oito necessidades.

2.5 Inclusive, se não se pode aceitar na teoria de Szondi, que as necessidades são derivadas dos genes, este sistema das necessidades mantém o seu significado irreduzível como um “ Sistema de categorias antropológicas” , (Schotte, 1963 ).

3. O círculo dos quatro vetores dos modos do “Estar no mundo”.

Faço a sugestão de que no lugar de sistema de pulsões não se fale senão em SISTEMA DE NECESSIDADES.

Huth ( 1985 ) já sugeria A apesar de outras razões A que se abandonasse o conceito de pulsão. Pessoalmente, todavia, o considero possível de ser utilizado, porém não se trata disto. Nada perdemos, por outra parte, ganhamos em certos círculos dos expertos em reputação, se não falamos tanto e não mais de tal maneira “ e ingênua ” sobre a pulsão. Pode-se falar de vetores ou círculos do destino sem perder o essencial.

Minha sugestão é descrever as pulsões como modos da existência que substancialmente pertence aos seres humanos. Assim se correspondem melhor os fatos que a seguir quero demonstrar. Além da minha perspectiva, vê-se na seleção de conceitos globais, uma cabeça de ponte na direção do “Existenzphilosofie” e “Daseinsanalyse”, algo que Szondi já havia começado na sua “Psicologia do Ego”.

As quatro existências humanas, nas quais penso, são as seguintes:

1. Corporalidade (Leiblichkeit ) , Vetor Sexual (S)

2. Afetividade ( Affekitivitaet ), Vetor Paroxismal (P)

3. Ego-centrado ( Ichhaftigkeit ), Vetor do Ego (Sch)

4. Relações ( Bezogenheit ) Vetor do Contato (C).

Para simplificar o nível da abstração, prefiro os termos seguintes, claros a cada um:

Vetor S Vetor P Vetor Sch Vetor C CORPO SENSAÇÕES EGO RELAÇÕES

3.1 Corpo. Vetor S com os fatores (h) e (s).

A interação de (h) e de (s) é, de todos os modos, demasiadamente reduzida, quando se lhe resume (agrupa ?) como sexualidade, ( o conceito de sexualidade de Freud não teve êxito ). Na compreensão atual

( de hoje? ) 0a ternura não se compreende sempre ser equivalente (à qualidade? ) sexual, ainda que se se pudesse ser ou converter-se nela.

Tão pouco tem um caráter sexual cada forma de atividade ou de agressão, não obstante haja sempre uma parte física. Inclusive se fôr apenas mentalmente ativo, considero ou, tranqüilamente planejo algo, requisito ademais, a presença da minha cabeça , do meu corpo.

Pois é deste modo, como se me parece melhor falar coretamente do corpo, em referência à meta de que as duas necessidades ( ternura e atividade ) têm como objetivo, que de falar somente de sexualidade.

3.2 Afetos. Vetor P com os fatores (e) e (hy)

Tão pouco os afetos “bons” como os “maus” são pulsões, senão que não são “ apenas acompanhamentos

afetivos da vida pulsional e mental ” Szondi, 1952, 105. ( die gemütshaften Begleiterscheinungen des triebhaften und geistigen Lebens” )

As necessidades (e) e (hy) são as maneiras mais ou menos inatas de tratar destes afetos, de acumulá-los ou não, de demonstrá-los ou não, para proteger a pessoa “dos perigos internos e exteriores atuais.”

Qualidade de pulsão tem apenas o movimento, o ato, o comportamento que utiliza os afetos como matéria de acúmulo e descarga. Os termos “maus” ou “bons” devem ser muito bem entendidos sem cada avaliação, para tanto foram postos com marcas da citação.

3.3 Ego. Vetor Sch com os fatores (k) e (p).

As duas necessidades (k) e (p) são mais apropriadamente caracterizadas pelos verbos auxiliares “ser ” e

“ ter ” e ditas mais exatamente representar apenas o Eu-pulsional.

Ea caixa de trocas, (Schaltstelle) que ajuda a acertar as outras necessidades, com respeito à afirmação e negação. e/ou, participação e o converter-se consciente, e tudo o mais o que está conectado a estes processos.

3.4 Relações. Vetor C com os fatores (d) e (m).

O humano chega ao mundo como “Zoen político”, como ser social. Ele já tem, antes do seu nascimento,

relações, como sabemos hoje. Estas relações têm para ele uma necessidade de vida, tanto física como mental.

Estas relações tendem (apontam ) não somente aos seres humanos ( ambiente social ), porém também incluem a natureza, o lugar local e o mundo mental ( ambiente físico), ambos representados pelo fator (m). O ambiente social e o ambiente físico mudam no curso de uma vida humana, com ele uns mais, com ele outros menos, (fator d).

Se agora você caracteriza cada fator do sistema das necessidades com apenas uma palavra, consegue o seguinte diagrama:

------------------------------------------------------------------------------------------------------

O SISTEMA DAS NECESSIDADES DA ANÁLISE DO DESTINO

VETOR EXISTENCIAL

 TENDENCIAS  NECESSIDAD  S CORPO

h: amor / s : atividade.

 h+ sensual, h- platônica

s+ entregando,

s- Recebendo

t- -----------------------------------------------------------------------------

P AFETOSe: afeto bruto / hy: afeto terno

e+ : “ bom” / e- : “ mau “

hy+ : demonstrando

hy- : dissimulando

------------------------------------------------------------------

SCH “ EGO ” k: ter p: serk+: aceitando

k- : negando

p- : consciente

p- : participando

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

 CONTATO------------- C Relação

d : mudar m: agourar

d+ : buscando

d-: persistência

----------

m+ : depender m-: abandonar 

4.

A importância das necessidades e suas relações com a liberdade.

- (As flechas entre as duas necessidades de um vetor sugerem que a necessidade de onde parte o início da flecha, ajuda a ajustar o outro.

Ou o amor ou o desejo para a ternura (h) requer para sua satisfação a atividade e a preparação (s) ou de dar ou de receber doçura.

Uma pessoa está envergonhada (hy) ou da sua raiva ou do seu medo (e), e procura controlar-se, enquanto que a outra dá a demonstração livre destes afetos.

A capacidade do ego de poder dizer ou sim ou não a si mesmo (k) ajuda a evitar ao próprio “ser”, os perigos ou da superestima ou da desinflação durante o processo da realização existencial de si mesmo (p), por meio de ou ser consciente de si mesmo ou aproximando-se de outra pessoa por participação e compartilhando sentimentos.

O ser humano - ou grande ou pequeno - encontra em suas relações uma ajuda mental importante (m).Se estas relações estão ou mudadas, flexíveis ou vividas de modo demasiadamente rígido e irreal, depende da capacidade de mudar (d) da pessoa.

( Omitindo algumas sentenças, editor)

A importância das necessidades representadas pelos fatores (h), (e), (p) e (m) tem na minha opinião os maiores valores a respeito das pretensões capitais do estado humano. Edelas que vai sair a dinâmica intravetorial.

Enquanto as outras (s, hy, k, d ) principalmente têm seu significado em dar possibilidade de satisfação às outras ou ao contrário não o fazerem.

E nisto que tenho uma opinião divergente da teoria circulante que significa as 4 necessidades ( h, e, p, m ) como “ fatores de regulação ” ( mandar ? Dirigir ? ) ( Szondiana 1989, 54 ). Para mim são exatamente as outras que têm esta tarefa.

Sim, pois, por assim dizer, estas oitos necessidades pertencem à equipe coletiva de cada indivíduo humano,

sua intensidade e suas preferências pessoais ou familiares por certas tendências específicas podem estar bastante variáveis. Considerada nesta perspectiva, a totalidade do sistema das necessidades parece ser um destino invariável e compulsivo. (Zwangsschicksal ).

E não obstante, se realmente a pessoa tem que ter uma possibilidade para fazer uma opção ( Destino selecionado “Wahlschicksal” ), há de existir uma possibilidade de influenciá-la, se não deve ser esta uma palavra vazia. Ou, perguntando-se de outra maneira a questão é : quais fatores estão disponíveis ao serviço do Pontifex-Ego quando é necessário tomar decisões livres?

Na minha opinião devem ser as quatro necessidades de regulação: (s), (hy) e (k) e (d). São mais ou menos o lugar onde a liberdade pode chegar a ser eficaz, trata-se de fazer a satisfação possível dos outros quatro (h), (e), (p), (m) e em consonância com o mundo interior e externo. (participação autógena e alógena ).

Esta distinção tem significado terapêutico e conselheiro, e significa que especialmente a transação livre das necessidades (s), (hy), (k) e (d) ou devem ou podem ser trabalhadas através de. As outras quatro não são realmente mutáveis, apenas podem ser influenciadas somente se o ego toma posição. Cheguei a esta interpretação durante uma conferência de Szondi (1979 ), em que ele deu ênfase a :

“A grande liberdade existe na negação. O fato de que o ser humano tem um eu que pode negar, isso é a liberdade.” E quando esta decisão que se toma, (k), falta pensava ele então sucede tudo que se encontra em (p), quer dizer: "Eu posso ser tudo". “ A grande questão é: como conseguir um ( k- )? Por meio de educação ou por aprender a auto-disciplina ?”

Para ele a necessidade (p) não era mutável, porém, sim, direcionável por meio da necessidade (k) . Esta diferença entre as duas necessidades que pertencem ao ego, transporta-se também às outras maneiras de existência.

5. Formulação do conteúdo das necessidades.

Ainda que o esquema das necessidades resulte num claro quadro sinótico, à primeira vista dá a impressão de ser um esqueleto que deve ser preenchido com carne e sangue. Quero indicar para algumas variações que se podem usar para organizar os conteúdos que o esquema das necessidades quer explicar. Se se subjugam os conteúdos em certos princípios de organização, a complexidade de significações será mais clara. As seguintes variações não têm a ambição de apresentá-las completas, apenas são sugestões para tratar as significações do sistema das necessidades de uma maneira criativa.

5.1 (Variação 1 ) : Meta Experiência Comportamento

Uma possibilidade de variação relativa à formulação ( a língua? ) das 16 tendências é uma classificação em meta pulsões comportamento.

TENDÊNCIAS

MetaExperiência Comportamentoh+ Contactos com o corpoTensão erótica, formigar, calor, harmonia, ventura, prazer.

Busca: tacto,

embalar-se ligeiramente,manejar-se, calor do ninho

Estreitar-se contra

 (h -) negativa:

Evitando (h+) experiência de tipo h+ = o evitar e o medo de sensações do contato com o corpo.

( h- ) Interpretação positiva.

(h- ) positivamente :

Tendência à ternura humanitária coletiva. Amor à Humanidade:

Devoção / Dedicação / voluntário para trabalhos com coletividades, tipo: Cruz Vermelha.

 Sensações de ansiedade, medo dos contatos sexuais. Medo de contato.

Sentimento de pertencer. Sentimento de ter uma tarefa positiva, de ser útil.

 Inibido, aversão (hostil) ao corpo.

Devoção a outros, A serviço de outros em áreas de política-teológica - humanitária.s+

Movimento até o objeto, ataque.

(s -)

permite que o objeto chegue mais próximo, gôsto de ser seduzida e manipulada. A sensação da força e da energia, êxito, dinâmica.

Prazer de entregar-se

De sacrificar-se, de prestar serviço

 Iniciativa, atividade, faz cumprir, aborda um problema de maneira vigorosa / brutal. Aspereza.

Passividade, cólera, indulgência, tendência a ser governado / conduzido,

 +e desejo de ser

“boa” e justa Integridade, piedoso

Sentimento de responsabilidade Lealdade, amabilidade, consciencioso, piedade/

(sanctimoniousness) /hipocrisiaExpressa (Mostra?) sentido de justiça e ordem.e -

ser “mau”

 ira, vingança, ódio, ciumes, cólera.  “acting out”, explosões de afeto

 (hy+)

expor-se,

 sentimento de valor e de importância , sentar-se ao centro,

pode demonstrar significados

Comportamento inusual, notável. Sabe como apresentar-se, consciente do efeito do seu comportamento, sabe manipular, satisfação de si mesmo

 hy-

tendência a esconder-se para se proteger.

 vergonha, timidez, ansiedade: “se alguém soubesse quem sou na realidade”Quer esconder-se, ruboriza-se, inibido, refreado, timidez, modéstia, insegurança social, pedir desculpas.k+

necessidade de possessão e de ter

 Segurança por trás do “quadro da “Persona”. ( C.G.Jung ), como exemplo oficial, sentindo-se respeitado por seu trabalho.

 Interesse em adquirir valores mentais e materiais. Formação de capital,

eficácia, negócio, egocêntrico.

k- negação

k- negativamente. Ajustamento à realidade por meio de reservas. Força do “ego” a distância e equilibrado-

 Ajustamento, repressão, abstinência, refrear e alienar-se para conservar-se.

Alienação,nuito reservado, fechado.

Egocentrismo, Destrutivo. Desvalorização. Desapreciar.

p+

ou ser perfeita ou ser “ tudo”.

Sensações de grandeza, de poder, de independência, confiança em si mesmo.

Creativa, autônomo, convencido, sensações da superioridade, fanático, possuído pelas idéias.p-

fusão

p- Einsseinwollen, Verschmelzen. Absorve-se em sensaões de participar " conosco ; de inferioridade, de insegurança. Fácil de ser membro um grupo, dependente, leal, enfático, solidariedade.

d+ ir buscar, mudar

Inquietude. Demanda excessiva, tristeza  flexível, transformável, atenção ao ambiente, alerta esbanjador com tempo e dinheiro, distraído

d-

beim alten lassen Obstinação, Angústia de perder sua autonomia. Conservantismo, prefere o passado, não pode deixar ou render. Avareza, perseverança, concentrado, colecionador.

m+

Suporte. Aceitação.

 Sentimento de estar seguro ou ansiedade de perdê-lo. Segurança, confiança incondicional, nostalgia e morrinha.

Satisfações orais como falar, as comidas, bebendo, adição, apegar-se, sociabilidade, desfrutar da vida, alma do grupo.

5.2 (Variação 2 ) : Relação ou do tema ou do objeto.

Uma pessoa humana guarda sempre relações, pois ela é de natureza social. Esta dependência do ambiente pessoal e física, não se demonstra exclusivamente no Vetor C , mas também, nos outros três vetores existenciais.

A variedade destas relações se expressa, de uma parte, pelas tendências do sujeito e de outra parte também aqui a experiência das reações que partem do objeto, que numa situação favorável satisfazem as tendências próprias e em outro caso não o fazem.

Para dar um exemplo mais concreto: posso ter o desejo de aproximar-me de novos objetos, e começo a procurar por um novo objeto de satisfação (d+). Neste caso o desejo vem de mim mesmo, e é porque o qualifico como uma “aspiração do sujeito”, também se poderia qualificá-lo como uma tendência ativa.

Ao contrário poderia ser que me agradasse mais reservar-me e não desejo de modo algum ir a sua busca (d-).

Porém devido a razões exteriores pode ser que me sinta forçado a aceitar a demanda de uma troca. Esta maneira de mudar, algo mais passiva (+d), tem, então, outra qualidade de experiência que a outra mais ativa, porque o sujeito se sente no segundo caso como objeto, no qual o outro quisera satisfazer suas necessidades.

Ele tem então, por exemplo, o dissabor de ser explorado ou de estar expondo-se a uma demanda excessiva. (Penso que estas experiências possam ser colocadas como imagens representativas de si mesmo ou do objeto).

Seleciono como classificação os adjetivos: ativo e passivo, e/ou tendo em vista a experiência : relacionado com o sujeito ou relacionado com o objeto.

Modo Ativo (Relacionado com o SUJEITO ) Modo Passivo, ( relacionado dom o OBJETO)h+ : ativo muito corpo enfocado. Busca ternura, gosta de tocar e de acariciar as outras pessoas.

h- ativa

rechaço a expressão da ternura, que cria problemas.

h+

Espero receber ternura, gosto, sinto muito e me faz alegre ao ser ou tocado ou acariciado.

h- passiva

tive experiências ruins, o outro tem somente motivos mais ulteriores, eu mantenho o outro longe do meu corpo.h- ativo, Interpretação positiva:

tem solicitude para com os outrosh- passivo

tenho necessidade da sua solicitude.(s+) modo ativo:

atacar, levar através de, criar a dor,

maneira áspera da ação (s+) passivo

posso defender-me, não aceito qualquer coisa, as pessoas agridem

 (s-) modo ativo

tolerância, agüenta, submeter-se a, não poder abordar problemas.  (s-) modo passivo

permite ser seduzido, permite ser explorado, tendência para sofrer. Temo as agressões, comigo se pode fazer qualquer coisae+ modo ativo

desejo de ser bom, piedoso e justo, defender a justiça e a ordem

e+ modo passivo

conseguir corretamente os outros,

o outro necessita ou da minha ajuda ou da minha bondade. Ansiedade. Sentido de

culpabilidade, consciência e- ativo

estou enojado, furioso, ciumento, vingativo

e- passivo

torna-me enojado(hy+) ativo

posso ser o que sou, posso mostrar-me

(hy+) passivo

os outros sentem prazer comigo, gostam da minha companhia

(hy-) ativo

é melhor ocultar-se-me e a meus desejos, tenho muitas faltas, eu não sou aceitável, devia ter outro caráter.

hy- passivo

Devo ter cuidado para que não observem quem sou eu realmente. Temo que os outros me descubram, me desmascarem k+ ativo

quisera ter tudo, conseguira ser mais rica, encorporar, observar a realidade

k+ passivo

Os objetos e as pessoas, ou existem para mim, ou assim deve ser.

k- ativo

dizer NÃO, desvalorizar-se, abster-se, desprezar-se

 k- passivo

refutar-se, desvalorizar, desdenhar dos outros (p+) ativo

não necessito de nada, posso organizar meu próprio caminho. Sensações da superioridade

 (p-) passivo

Não preciso dos outros. Sou capaz de resolver tudo (encontrar solução)

Tenho sempre razão

(p-) passivo

Ressonância emocional, a outra é de grande alcance. Perseguem-me. Sou enfático.

 (p-) passivo

Desejo aliar-me, sinto-me inferior. Eu existo somente por outros(d+) ativo

busca ativa, mudar,

adquirir, desafio, exigir, adquirir

(d+) passivo: fazer todos felizes, dar razão a todos os outros, sentir-se explorado, entregar, deixar, sentir-se estressado, perder, sobrepagar, fazer prestações

sentir-se expondo-se a demandas demasiadas excessivas.

- estas qualidades causam humor depressivo-  (d-) ativo

guardar, persistir, depender, não querer produzir, apenas compensar-se

( d-) passivo

rechaçar, ser contrária m+ ativo

depender, esforçar-se para ter segurança e proteção, fazer-se popular.

 m+ passivo

ter suporte ou não suporte, ser aceito ou não aceito, medo de perder suporte, Basic trust. (m-) ativo

estar só, separar-se, nenhuma necessidade de outra pessoa, ‹abandonado rechaçar a outra

(m-) passiva

sentir-se abandonada, estar abandonado,

sentir-se rechaçado, desprender-se.

Semelhante ao caso de um tema musical, muitas outras variações poderiam ser desenvolvidas.

Contento-me com estas duas sugestões e espero que também o sistema das necessidades simplificado assim como suas interpretações do conteúdo sejam uma contribuição para o trabalho necessário da tradução (interpretação) das teorias da “Análise do Destino”.

Resumo

Este artigo de uma sugestào de um sistema de pulsões simplificado e geralmente compreensível, no qual se evita sempre que possível o termo pulsão

Por outra parte, demonstram-se sugestões nas quais o conteúdo das oito necessidades, respectivamente os conteúdos das dezesseis tendências, podem classificar-se e denominar-se diferentemente.

Traduzido do espanhol ao português por Maria Lucia de Carvalho Accacio..São Paulo, 6 de julho de 2000.

c 1996-2000 Leo Berlips, JP Berlips & Jens Berlips, Slavick Shibayev